Hidrovia do Madeira

OBJETIVO: Baratear o escoamento de grãos produzidos nos Estados do Acre, Amazonas, Rondônia e Mato Grosso, assegurando boas condições de navegação por 1.056 km de rio.

ASPECTOS RELEVANTES: Hoje são transportados, pelo rio Madeira, cerca de 2 milhões de t/ano de cargas, prevendo-se, após a conclusão do projeto de melhoramentos, um aumento para 8 milhões de t/ano, resultante da agregação de valor em função dos benefícios gerados na área de influência e da consolidação da integração multimodal com a rodovia BR-364 – Cuiabá/Porto Velho.



<Picture: Madeir3.gif (195594 bytes)>



Clique aqui para visualizar o mapa

Atualmente, o rio Madeira é navegável no trecho entre Porto Velho e sua foz no rio Amazonas, admitindo na época da vazante, chatas de no máximo 2m de calado. Os serviços e obras em execução capacitarão a hidrovia de navegação diuturna, em todas as épocas do ano, com uma profundidade mínima de 3 m, reduzindo-se o tempo e o custo do frete. Isto se torna particularmente importante pelo fato de ser este o meio de transporte mais adequado ao tipo de carga escoada a partir da cidade de Porto Velho.

A execução das ações previstas implicará em maior competitividade dos nossos produtos no mercado mundial pela redução do chamado "Custo Brasil". Dentre os benefícios esperados com o projeto, destaca-se a redução, em US$ 38,50/t, no custo de transporte dos grãos destinados a Rotterdan. O transporte da soja da Chapada dos Parecis, via terminais hidroviários de Porto Velho e Itacoatiara, onde a soja é embarcada com destino à Europa em navios de até 70.000 TDW, custa US$ 71,50/t. Comparativamente, sabe-se que o escoamento da soja, via rodovia, até os portos de Santos/Paranaguá, custa US$ 110,00/t.

Há que se destacar os benefícios que o projeto trará para os estados mencionados, com potencial de terras agricultáveis de pelo menos 20 milhões de hectares (sem destruição de florestas), o equivalente a 60 milhões de toneladas de soja, ou 2,4 vezes o total da produção brasileira. A área plantada atualmente na Chapada dos Parecis é de 1,5 milhão de hectares de grãos, gerando uma produção de 3,8 milhões de toneladas.

Merece menção o benefício que advirá da redução de custos e melhorias no transporte de produtos das regiões sul e sudeste para a região norte, bem como da Zona Franca de Manaus e Distrito Industrial para os grandes centros consumidores.

ESTADOS BENEFICIADOS: AC, AM, RO e MT

BENEFÍCIOS GERAIS:

•Integração econômica da região norte; •Menores custos de transporte para o escoamento da produção regional.



VALOR GLOBAL DO EMPREENDIMENTO: R$ 24,0 milhões

ORÇAMENTO LIBERADO EM 1997: R$ 6,227 milhões

ORÇAMENTO APROVADO EM 1998: R$ 7,1 milhões

CRONOGRAMA:

Conclusão para Junho de 1999